O Coração e a Profissão

O Coração e a Profissão

É cada vez maior o numero de pessoas que procuram um processo de Coaching hoje em dia porque não estão felizes com sua vida profissional. Alguns não sabem se é a empresa ou o ambiente de trabalho, outros acham que é a função que exercem, outros estão insatisfeitos com os ganhos e há ainda aqueles que não querem mais fazer o que fazem.

Segundo pesquisa realizada pelo ISMA (International Stress Management Association), cerca de 80% dos profissionais ativos no Brasil estão insatisfeitos; segundo o Instituto Gallup, a satisfação no trabalho atinge apenas 13% da população mundial.

Passamos a maior parte do nosso tempo no trabalho ou de alguma forma engajados em atividades ligadas a ele, portanto, aceitar a infelicidade nessa maior fatia não faz sentido.

Podemos começar a abordar o problema analisando as escolhas feitas lá atrás e seus porquês. Podemos avaliar as opções, os caminhos e as motivações que nos levaram a estar naquela posição onde nos encontramos. Isso contribui para um melhor entendimento, um maior autoconhecimento, mas não resolve o problema.

O processo de Coaching coloca o foco na solução do problema. A partir de uma análise do estado atual (no caso a insatisfação profissional), uma ponte é traçada para se chegar ao estado desejado (um redirecionamento profissional). O tesouro está, então, na travessia.

Segundo o HeartMath Institute da California, emoções como medo, frustração, impaciência e rancor, são tóxicas e liberam hormônios de stress, resultando em perda de massa muscular, perda de células cerebrais, queda no desempenho e envelhecimento precoce entre outros danos. Por outro lado, emoções como carinho, cuidado, tolerância, apreciação, geram substâncias químicas que regeneram nosso sistema resultando em resiliência, capacidade de resolver problemas, boa memória, melhor desempenho e maior longevidade. Uma investigação em Coaching nos levaria a avaliar que situações da vida que nos expõem a elas.

O ideal é que na travessia desta ponte possamos ouvir a voz do coração (nossa intuição mais profunda), e buscar um alinhamento perfeito entre ele e o cérebro (mente) que nos leve à coerência. Ainda segundo o HarthMath Institute, atingimos a coerência quando coração, mente e emoções estão alinhados em sincronia, resultando num funcionamento coordenado dos sistemas imunológico, hormonal e sistema nervoso. Se a maior parte do tempo passamos no trabalho, precisamos estar em harmonia com ele para que haja coerência na nossa vida como um todo.

Como chegar lá? Muito treino, autoconhecimento e vontade. As ferramentas de investigação disponíveis podem ser também de grande ajuda. Hoje em dia contamos com testes bastante precisos que podem ou não ser usados. O mais importante é estar aberto à voz interior que, de alguma maneira, sempre se manifesta indicando o que nos motiva, o que nos move, o que nos emociona.

Você também pode gostar

Deixe um Comentário